Repórter da Globo lembra assalto no Recife: “Virei o chefe do bando”…

Repórter da Globo lembra assalto no Recife: “Virei o chefe do bando”…

0
COMPARTILHAR
O jornalista Francisco José durante o "Conversa com Bial" Imagem: Reprodução/Globo

O jornalista Francisco José aproveitou a marca de cem reportagens para o “Globo Repórter” para recordar momentos marcantes de sua carreira no “Conversa com Bial” de segunda-feira (29). Entre os assuntos, falou da vez em que tornou-se refém durante a cobertura de um assalto a banco no Recife, nos anos 80, para salvar uma mulher grávida que estava em poder dos bandidos.

“Na hora que decidi substituir a mulher grávida, eles queriam o delegado e disseram que iam matar o delegado. Nós seguimos até Salvador, 800 km dentro do carro com dez pessoas. Considero que virei o chefe do bando, só eu conhecia bem a estrada”, diverte-se.

“No fim da viagem, me entregaram o carro, uma veraneio que tínhamos tomado da polícia. Fui dirigindo para um hotel 5 estrelas e vieram me agradecer, falei: não fiz por vocês, fiz por ela’. Naquele momento eu pensava em ajudar aquelas pessoas. Enquanto eu estivesse lá dentro [do carro], a polícia pensaria duas vezes antes de atirar”.

Durante a ditadura, precisou driblar proibições da censura. “Não podia falar ‘fome’, mas não precisava falar, só mostrar. Eram várias viúvas da seca, mantendo os filhos dessa forma”, recorda, ao rever uma reportagem das mulheres que criam os filhos sozinhas no sertão enquanto os maridos tentavam trabalho nas grandes cidades.

Por: tvefamosos.uol.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

14 + 1 =