“Desafio da rasteira” que viralizou pode causar paralisia e levar à morte.

“Desafio da rasteira” que viralizou pode causar paralisia e levar à morte.

0
COMPARTILHAR

ão é à toa que a “brincadeira” chamada de “quebra-crânios” ou “desafio da rasteira” tem preocupado pais de todo o Brasil. Os vídeos que viralizaram na internet nos últimos dias mostram jovens sendo derrubados durante a perigosa “moda”, que pode causar danos como traumatismo craniano, paralisia e até levar à morte, como aconteceu com uma jovem no Rio Grande do Norte. O jogo acontece em trios e a pessoa que está no meio é derrubada após pular, caindo de costas para o chão e batendo o corpo no solo, recebendo grande impacto na cabeça e coluna. A maioria dos jovens não sabe que será derrubada, e os colegas que causam a queda fazem com a intenção de rir do choque. “As crianças e adolescentes que entram nessa brincadeira o fazem por ingenuidade, pois a maioria não tem noção do perigo no qual estão colocando o amigo”, aponta a pediatra Lilian Zaboto, membro da SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria).

O jogo tomou uma proporção tão grande no Brasil que até alguns pais fizeram com seus filhos —por vezes, com proteção de colchão por baixo, o que não garante a segurança.

Quais os riscos do desafio?

A pediatra aponta que, apesar de a altura não ser grande, a queda pode levar a uma fratura na coluna, principalmente na região lombar e torácica. “O golpe pode causar fraturas e lesões ligamentares na coluna cervical, que podem ter consequências como quadro de dor crônica, hérnia de disco traumática e até mesmo fraturas com lesão medular parcial ou completa, o que acarretaria na perda permanente e definitiva de movimentos”, alerta André Evaristo, ortopedista especializado em coluna e médico do núcleo de medicina avançada do Hospital Sírio Libanês.

Além disso, mesmo que não haja sinais imediatos, o choque pode causar hemorragia intracraniana. “O sangramento dentro da cabeça pode ir aumentando e comprimindo o cérebro, o que oferece risco de alterações neurológicas — imediatas ou não. A pessoa pode ficar bem nas primeiras horas e apenas depois sofrer desmaio, confusão mental e até ficar em coma ou morrer se não tiver uma cirurgia feita rapidamente”, indica Felipe Monti Lora, pediatra e gerente médico do Sabará Hospital Infantil.

Hematomas, e fraturas na região dos glúteos, braços e punhos também são possíveis, já que a pessoa pode tentar usar essas partes do corpo como apoio durante a queda.

Como alertar crianças para que não participem?

Por mais desagradáveis que sejam as imagens, a pediatra recomenda que os adultos responsáveis por crianças mostrem o vídeo para elas. “Se algum amigo propuser a brincadeira, eles já saberão dos riscos.

Adolescentes geralmente precisam ainda mais conhecer a gravidade da brincadeira, pois costumam considerar que jogos deste tipo não são tão perigosos”, explica.

Por: https://www.uol.com.br/

DEIXE UMA RESPOSTA

4 + catorze =